Aprimoramento: Palavra

Publicado: 01/08/2012 em Aprimoramentos, RPG, Trevas e Arkanun
Tags:, ,

As Palavras são a benção divina sobre os anjos. Elas indicam uma permissão que Demiurgo ou o Conselho da Cidade de Prata concede a determinados celestiais para cumprirem a missão divina. Eles são investidos de poder e aura que lhes dá uma nova posição entre seus pares.

Um anjo com uma Palavra existe para cumprir um papel específico frente aos mortais e inimigos da Cidade de Prata. É um trabalho especial que nunca mais poderá negar. Os poderes que adquire são retirados diretamente da essência divina. Uma vez que caia ou renegue sua submissão a Demiurgo, perderá todos eles e sucumbirá ao Inferno. Apenas lá poderá receber esses poderes de novo caso uma Blasfêmia lhe seja entregue.

Houve uma época em que os anjos já eram criados com as Palavras em seus corações. Isso foi antes da Segunda Rebelião, quando ainda se acredita no coração dos celestiais e Demiurgo os observava com olhos de espada. Quando se começou a se duvidar das intenções dos mais novos e até dos mais velhos, as Palavras passaram de heranças de nascimento a bênçãos pelos méritos. Assim, um anjo caído não levava sua Palavra consigo.

O Significado

Cada Palavra tem um significado. Ela é um Selo da realidade, um símbolo que permite ao anjo distorcer a realidade em certo ponto, mudando a si mesmo ou aos outros. Ele rege aquele elemento podendo distorcê-lo, despertá-lo ou adormecê-lo. Quanto mais avança nos poderes da palavra, mais estará aberto às possibilidades que ela lhe trará.

Os anjos invejam aqueles que possuem as Palavras. Por sinal, esses são os agentes mais poderosos das ordens angelicais e costumam assumir posições de liderança nas falanges. Quanto mais forte é a Palavra de um celestial, mais é ele considerado digno por seus pares.

Príncipes

Demiurgo é um ser de poder tão descomunal que uma de suas ações pode perturbar o encaminhamento da realidade. Seus poderes infinitos e suas facetas imprevisíveis deslocam parcelas de sanidade e fé em um piscar de ódio, reformulando as forças da criação com um movimento que seria o equivalente ao pensar do homem. Para cada uma das facetas divinas, ele criou anjos para realizar um trabalho em que não precisaria deslocar todo seu poder.

Os anjos são como uma agulha do poder divino, criados para atuar em um ponto específico. Cada parte da Face de Deus é representada para essa missão por um dos Príncipes Celestiais. Existem vários deles, às vezes mais de uma para a mesma função, pois nem todos possuem poder suficiente para estarem em mais de um lugar ao mesmo tempo. Alguns são tão antigos quanto o pensamento de Deus e ocupam mais de uma representação de seu poder.

Cada Príncipe é uma figura antiga, com pensamentos que os anjos mais novos não conseguem vislumbrar. A maioria deles pode ser considerada como Apocriphae ou ainda algo antes disso, figuras milenares que não possuem uma nomenclatura específica. Eles coordenam a benção das Palavras, conferindo o Batismo aos anjos que receberão as mesmas. Assim, é com a graça deles que um celestial recebe o poder.

A maioria atua como líderes distantes, sem interferir em anjos com as Palavras. Consideram-nas medálias de honra ao mérito, dada a crianças que ainda precisam aprender a usá-las. Apenas quando percebem que o infante em questão não está merecendo, retirando violentamente o bônus.

O pensamento dos Príncipes é antigo e raramente carinhoso com os anjos. Eles dão e retiram sem perguntar ou questionar. Alguns deles só atuam quando o Conselho lhes pede e mesmo um pedido do mesmo é sempre feito com bastante cuidado.

O Batismo

O Batismo, às vezes chamado de Concessão ou Benção dos Príncipes, não é necessariamente um evento formal. Raramente exige uma cerimônia para o assunto. O mais comum é a aparição súbita de um Príncipe diante do anjo assustado e o toque em sua testa. Então o anjo sofrerá a maior das dores que já sentiu quando seu corpo-alma é rasgado, cortado, perfurado e esmagado pelas forças divinas a um ponto em que ele cai exausto. Quando se levanta, após gritar e sentir o quanto é inferior ao poder divino, é um outro celestial.

Regras

As Palavras funcionam como Aprimoramentos. O jogador deve comprá-las durante a criação do personagem ou em sua evolução. Nenhuma delas é conferida anjos com menos de 200 anos. Ela só funciona enquanto o anjo ainda for fiel ao Céu. Seus poderes são perdidos imediatamente após a Queda. Essa saída de poder divino ainda causa 12d6 pontos de dano.

Uma Palavra é quase como um equipamento de um soldado. É dado e mantido pelo exército. Tanto munição quanto reparos desse equipamento são feitos com recursos da organização. A deserção do soldado seria acompanhada de uma perda automática disso tudo. Ele não teria mais munição alguma nem baterias ou energia para sustentar nada de seu precioso equipamento.

Os poderes devem ser utilizados com cuidado pelos personagens. Cada vez que os usa, não está liberando sua energia, mas canalizando as forças divinas. O abuso pode destruir um anjo incauto, tanto por atrair o descontentamento de Demiurgo ou dos Príncipes quando pelo esfacelamento de seu corpo pelo contato excessivo com o Poder.

Os bônus conferidos não se acumulam; sempre vale o valor mais alto. Um personagem que recebeu um Bônus de +3 no dano e posteriormente uma benção com valor +6 terá apenas +6 no dano.

Anúncios
comentários
  1. Esperando as Blasfêmias!! =D

    (Tem um certo Anjo da Esperança na minha crônica, Palavras de esperança tb seriam legais, rss)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s