Trevas: Matheus Magalhães

Publicado: 26/10/2012 em RPG, Trevas e Arkanun
Tags:

Esse é um perosnagem e um conto bem antigo. Preferi não alterar muita coisa, mas deixar o básico da velharia aí. A figura eu retirei da internet há muito tempo atrás.

O cheiro fétido dos demônios quase o deixava intoxicado. Os corpos dos seres infernais jaziam todos no chão com seu sangue negro escorrendo. Matheus bem que gostaria de purificar o local mas não tinha tempo. Beijou seu crucifixo e agradeceu a Deus pela vitória. Ele sabia que o Senhor o ajudava através de seu anjo da guarda. Ele olhou para as paredes corruptas do local. Nenhum demônio escondido como podia sentir através de sua fé. É sempre muito fácil para demônios se esconderem no mundo espiritual.

A aura espiritual da casa fedia e grudava nas roupas de Matheus. Com certeza, os seres corruptos viviam ali há muito tempo, o que provocara a decadência espiritual do lugar. Por isso os demônios haviam sido atraídos para o local.

Segurou sua espada e cortou o ar abrindo uma fenda onde pôde avistar o que queria. Três pessoas conversavam no mundo real. Dois homens, uma mulher. Pele pálida… vampiros… com certeza. Pediu a Deus um sinal para indicar se aqueles eram realmente mortos-vivos. As auras brilharam pálidas. Eram o que ele procurava. Nunca se cansara de caçar demônios e vampiros. Até chegava a considerar vampiros um tipo diferente de demônios, nascidos da parte mais negra da alma humana.

Levantou a espada novamente e cortou o ar horizontalmente e depois na vertical formando uma cruz que se abriu. A mulher notou Matheus saindo das sombras, mas nem imaginava que ele vinha do mundo espiritual. Ele apareceu atrás de um dos vampiros. Ela tentou gritar, mas seu parceiro teve tempo apenas de olhar para trás e sua cabeça rolou no chão separado de seu corpo pela espada sagrada do mago. A mulher tentou retirar a arma, mas esta não saía do coldre. O anjo da guarda de Matheus estava o protegendo. O outro vampiro partiu para cima dele. Era muito rápido, mas Matheus podia ler seus movimentos. Ele desviou-se de todos os seus golpes e depois, com a força que Deus havia lhe dado, enfiou a espada bem no coração do ser das trevas. Ele gritou e começou a pegar fogo de dentro para fora. Em pouco tempo, suas cinzas foram ao chão.

Agora só faltava a mulher. Ele olhava o mago com raiva e mostrava seus caninos. Matheus podia perceber o que ela queria apenas olhando seus olhos. Via a mulher esperando ele erguer a espada para depois atacar. Ele segurou seu crucifixo e rezou usando o poder de sua fé. A mulher ficou praticamente paralisada e parecia estar perdendo suas forças. Sentiu seu sangue perder energia. Aproveitando-se do momento, o mago atacou sem pena do ser das trevas. Aquele tipo de mulher nunca mereceu cavalheirismo…
Matheus Magalhães

Mago Apóstolo da Escola de Yamesh

Naturalidade: Brasileiro

Peculiaridades: Austero, fiel, solitário, impassível

Religião: Catolicismo (devoção à São Jorge e à Virgem Maria)
Atributos:
Força 15, Destreza 15, Agilidade 17, Constituição 16, Inteligência 15, Percepção 18, Força de Vontade 18, Carisma 14

Perícias: 
Armas Brancas (Faca 40/40, Espada 80/90, Lança 40/40), Armas de Fogo (Pistola 50%), Briga 50%,Conhecimento (Abismo 20%, Arkanun Arcanorum 40%, Anjos 50%, Astrologia 40%, Demônios 60%, Ocultismo 70%, Religião 70%, Rituais 80%, Vampiros 70%), Condução 60%, Escutar 60%, Esquiva 70%, Idiomas (Português 30%, Latim 40%, Inglês 20%, Francês 10%), Manipulação (Tortura 50%, Intimidação 70%, Lábia 40%), Rastreio 40%, Teologia 40%

Aprimoramentos: Anjo da Guarda, Recursos 3, Aliados e Contatos 4

Pontos de Fé: 13

Magia: 16 Pontos de Magia

Criar 1, Controlar 2, Entender 2, Água 2, Fogo 2, Luz 1, Metamagia 1, Spiritum 3

Armas:
Espada da Luz Divina 100/100 2d6+4 (dano dobrado contra criaturas com a fraqueza Sol)

Histórico: Matheus Magalhães nasceu em meados do século XVIII. Filho de um minerador nas Minas Gerais, enveredou-se para a religião ainda cedo na vida. Pensou em ser padre, mas desistiu da idéia quando notou a corrupção do clero na colônia. O Brasil tinha um grave problema com padres pecaminosos que mais fazia para distorcer e abusar da religião do que cuidar das ovelhas.

Uma das idéias de Matheus para mudar o que via entre os religiosos foi se alistar na inquisição brasileira. Na época, existiam os chamados familiares, homens não pertencentes ao clero que tratavam de prender os acusados e fazer exercer a lei da inquisição. Matheus tornou-se um familiar exigente que chegava a atuar com mais força do que os agentes que a inquisição enviava para a colônia.
Um dos itens apreendidos por Magalhães foi um livro de magia. Esse foi conseguido justamente de um padre que era acusado de ser um feiticeiro. Irado, Matheus prendeu o homem e o levou para ser interrogado. No meio do caminho, os dois iniciaram uma conversa suspeita. O padre jurou que não era um pecador. Usava magia sim, mas era em nome do Senhor, para lutar contra os demônios da noite. Matheus não acreditou e foi apenas vários dias depois, quando o prisioneiro ainda insistia na história, que o familiar abriu o livro e leu o que ali estava. Interessou-se pelas figuras e rituais que sempre utilizavam invocações divinas, porém, o que o fez mudar de idéia foi um súbito ataque que recebeu.

Matheus já estava caso na época e sua esposa escolhera o dia errado para visitá-lo. Foi em uma noite fria de julho que ela apareceu com um pouco de comida, já que o marido passaria a noite vigiando os presos para que fossem levados no dia seguinte para a metrópole, onde seriam executados. A mulher foi atacada ainda na porta da prisão por um vampiro. O demônio da noite estava à procura do padre e do livro e logo atacou Matheus também, antes de correr para dentro da prisão. O familiar ouviu os gritos do padre e jogou-lhe a chave, para que se libertasse dos grilhões. O vampiro já estava arrastando Matheus para a mordida final.

O padre libertado utilizou magia para acabar com o vampiro, mas o familiar mal viu a batalha. Estava ferido demais. Não fosse pelos dons mágicos de sue prisioneiro, estaria morto. Aquele evento traumático o fez mudar de idéia quanto à magia. Após enterrar a esposa, Matheus seguiu o homem para ser iniciado na arte da Escola de Yamesh.

O novo mago passou os longos anos de sua vida caçando vampiros. Esse foi seu principal intento, caçar. Não fazia nada dia e noite. E não era por vingança pela esposa, mas por um fervor religioso que o tomara desde a noite traumática. Passou a culpar os vampiros pela corrupção do mundo, tornou-os avatares do mal. Cada um deles era uma vítima da espada do mago. Ele os julgava e relia cada um de seus crimes.

Os métodos de Matheus sempre eram pouco discretos. Atacava sem piedade, às vezes citando versos bíblicos enquanto lutava. Ainda continua assim, agora com uma magia um pouco mais sutil. Quando atua, já tem rituais preparados para paralisar os inimigos e retirar o poder do sangue vampírico.

Seus recursos vêm quase sempre de vítimas que contribuem para a caçada ou quando recebe colaboração da Escola de Yamesh. Os aliados estão espalhados pelo Brasil e formam uma rede de caçadores e informantes que ajudam a localizar vampiros e a auxiliar vítimas dos demônios da noite.

Não é bem-vindo em todas as cidade,s mas nunca se importou com isso. Matheus é conhecido por desestabilizar qualquer aliança ou trégua frágil que haja entre vampiros e magos, ou até com algumas espécies de demônios. Se o mal se coloca em seu caminho, ele não hesita em atacar, mesmo que possa lhe custar a vida.

Dizem que Matheus se mantêm vivo por rituais mágicos ou tomando sangue vampírico, mas ele mesmo não sabe porque continua atravessando os séculos sem nunca envelhecer. Nunca encarou isso como imortalidade, mas apenas a continuidade de uma missão. Se perguntado sobre seus anos de vida, ele responde que tem apenas anos de luta e servidão, sua vida acabou há séculos. Seu tom é de fidelidade e orgulho por viver esse estado.

Interpretação : Você é a espada de Deus. Sua missão é proteger essas terras das incursões dos demônios e, de certo modo, vampiros são demônios, você sabe muito bem disso. Invoque a Bíblia enquanto fala, clame por Deus mas nunca pedindo ajuda, afinal, você tem que ser forte, Ele já lhe concedeu os dons necessários. Apesar dos outros terem a mania de considerar sua fé como fanatismo você sabe que não é assim pois respeita as outras religiões e ama a Deus que, segundo você, é a representação maior da Justiça. 

Aparência : Matheus é um homem alto, seus cabelos são escuros e longos e possui barba. Os olhos desse mago são castanhos e brilham como fogo quando está muito enfurecido. Seu modo de se vestir varia muito, mas ele gosta de usar roupas que lhe dêem muita liberdade de movimento.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s